domingo, 11 de abril de 2021

Uma balada para o Mancha Negra

 

Imagem de meu acervo particular.

O hoje é distante da infância, mas aqui e ali, pelas colinas, aperto bem sua mão, que encurta distância.

Emily Patinson, em Poemas

Pateta Repórter é uma série de histórias publicada originalmente, na Itália, entre 2009 e 2015. Com roteiro de Teresa Radice e arte de Stefano Turconi, as tramas envolvem o protagonista atrapalhado realizando reportagens para o poderio midiático A Mancha Matinal, de propriedade de ninguém menos que Basil Blackspot (um dos vários nomes do arqui-inimigo disneyano Mancha Negra). Sempre sem querer, totalmente por acaso, Pateta consegue grandes furos jornalísticos, vai-se consolidando como maior repórter da cidade e, igualmente sem querer, constantemente mela os planos maquiavélicos de seu empregador e da gangue coordenada por Bafo-de-Onça, seu braço direito no mundo do crime.

Além dos ótimos roteiros, as quinze histórias contam com arte primorosa, merecedora do formato grande (16,5 x 24 cm), papel couché e capa dura. Foi um daqueles álbuns "de luxo" publicados pela Abril antes de sua falência. Pela própria editora, o título havia saído três anos antes (2013), em formatinho vagabundo e com cinco histórias a menos, excluída aí a que considero a melhor: Verão na Lagoa Verde, um conto que aborda de maneira poética parte da infância do vilão Mancha Negra. Certamente, por ainda estar inconclusa na Itália, o formatinho brasileiro não teria como ser a edição definitiva. Isto foi obtido nas 484 páginas da publicação de 2016.

Nesta história, o magnata das comunicações despacha Pateta por três meses para que ele escreva algum livro, visto todas suas matérias venderem a rodo. Além de embolsar grana com a publicação, Mr. Blackspot pretende se livrar de Pateta para que este não arruíne seu mais novo golpe: levar agricultores de um pequeno povoado à falência, comprar-lhes as terras e, assim, edificar grandes centros urbanos no local. Típico clichê de quadrinho infantil, claro.

Enquanto Pateta, de férias forçadas, aluga a pequena casa do lago, pertencente à família de Candy Mousengulp, a gangue de Bafo-de-Onça vai tocando o terror com os habitantes do vilarejo, usando pequenas tramoias: cupins, ursos e outros "acidentes". Assim, em pouco tempo comprariam as terras por ninharia. Mas, certa tarde, Pateta encontra uma caixa de biscoito embaixo do degrau falso da escada. Nela, achamos: o livro da poetisa Emily Patinson (brincadeira óbvia com o nome da poetisa americana Emily Dickinson), um diário sem nome de proprietário e uma pena para escrita, além de bolas de gude. Pateta mostra o achado a Candy. Ela diz se lembrar de quem era: quando criança, um menino alugava a residência da Lagoa Verde com os pais, para temporada. Então ela recorda como se divertiam e como ela lhe apresentou a poesia, inclusive emprestando o livro de Emily Patinson. Mas, de acordo com ela, de repente, aquela família sumiu sem aviso e jamais retornou. Como vemos nas reminiscências de Basil Blackspot, seus pais fugiram para o Paraguai após bem sucedido assalto a banco. Saindo assim às pressas, ele nunca pode devolver o livro a Candy, sua amada amiga.

Durante a história, conhecemos bastante do pensamento de Manchinha, à época, lendo-lhe o diário. Ele se apaixonou pelo vilarejo, a natureza, o belo céu cheio de estrelas, a poesia de Candy e, claro, pela própria Candy. Num dado momento, ele confessa que até seus pais ficavam mais felizes, quando no campo. E que na cidade apenas havia amargura, em meio a tanto concreto e asfalto.

Então chega o dia de Pateta retornar à cidade grande. Candy ainda não se recorda do nome do menino, mas recorda de seu sobrenome. Assim, manda Pateta levar a caixa pois, como está num grande jornal, talvez consiga devolvê-la ao dono, pesquisando sobre a família. Dentro da caixa, ainda encontra-se o livro de poemas. Já n'A Mancha Matinal, no escritório do magnata, Pateta diz não ter escrito livro nenhum mas que trouxe algo interessante, dispondo a lata sobre a mesa do patrão, o qual fica atônito. Nosso Pateta não é tão pateta assim e, sagaz, ainda avisa ao chefe que esqueceu de devolver a chave da casa na lagoa, praticamente esfregando-a no focinho do poderoso Mancha. Este diz possuir assuntos a resolver na região e poderia fazer o favor de entregá-la. Aí o restante é mais do que previsível: ele revisita a casa da Lagoa Verde, onde sentia-se realmente feliz, e depois bate à porta de Candy, agora casada e mãe de dois filhos. Assim que ela o vê, relembra seu nome e demonstra bastante alegria. Não sabemos se eles chegaram a conversar muito. A história dá um salto e mostra Candy com o livro de Emily Patinson em mãos. Basil Blackspot foi apenas devolvê-lo, após tantos anos de atraso. E, de dentro do volume, cai um cheque recheado de zeros - para que as famílias locais se recomponham dos prejuízos causados por suas ações mesquinhas, penso.

Num dado momento - e certamente não por acaso - é citada a família Thoreau. Henry David Thoreau foi o escritor naturalista que, preocupado com o êxodo rural excessivo e a dependência das grandes cidades e suas tecnologias, refugiou-se por alguns anos às margens do lago Walden, onde construiu sua própria habitação, plantou e produziu tudo o que consumia. Não há como dissociar isto dos anseios do então mancebo Mancha Negra. Ele queria apenas viver naquela casa velha, à margem da Lagoa Verde, plantando, colhendo e amando sua Candy.

É uma bela história e vale a pena conhecê-la.

Abraços líricos e até a próxima.







13 comentários:

  1. me afastei dos quadrinhos disney assim como da mavel/dc regulares pela previsibilidade do roteiro

    gosto de postagens assim, pois me poupa o tempo de pesquisar entre milhares de estórias repetidas.

    muito legal a parte sentimental da estória, saudosismo puro

    abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quadrinhos Disney, Turma da Mônica e assemelhados ainda podem se dar a esse luxo por serem "infantis", penso. Mesmo assim, no caso da Turma da Mônica, pulei fora porque a coisa saiu do pueril para o oligofrênico. Realmente, não dá mais.
      Ainda podemos encontrar bastante diversão em hqs italianas Disney!.
      Quanto ao universo marvel/dc, estou fora há anos e anos. Francamente, não sei quem ainda acompanha toda aquela bobageira insossa de onde umazinha coisa boa parece não sair. Quando falo "coisa boa", seria algum arco ou saga que ficaria para a posteridade. Até a linha Vertigo ficou um lixo. Preferi deixar de acompanhar em busca de algo bom, pois é bastante tempo perdido.
      Abraços!

      Excluir
  2. Essa é uma faceta italiana que considero interessante nesses quadrinhos da Disney, que é transformar uma premissa em algo que possua referências de coisas que realmente existiram, no caso da citação remetendo ao ao tal escritor e também à poetisa, mesmo com seu nome trocado. São referências que poucos leitores apanham porque não fazem parte de nossa cultura brasileira e porque não temos o hábito de ficar pesquisando no google os nomes que vimos em HQs infantis, para averiguarmos se realmente existe algo a respeito deles ou se não passam de pura ficção.

    Sua postagem está maravilhosa e se gravasse lendo sua própria narração em meio a algumas imagens desses encadernado, daria uma boa postagem para seu canal. Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existe uma obra considerada fanfic que o Daniel, responsável pelo site A GIBITECA escreveu. Ela se chama MANCHA NEURAL e ela expõe uma versão versão humana desses personagens e foca no Mancha Negra, dando uma pincelada em sua infância e focando mais em sua carreira nas forças armadas. Se não me engano, o cenário tem como pano de fundo alguns países como a Armênia. É uma boa ficção que valorizou bastante o personagem em um cenário de guerras, batalhas, perdas de alguém querido, tormentos e até amores, colocando Mickey como coadjuvante. Não sei se a obra ainda está disponível para ser baixada. Seria bom dar uma olhada no site da Gibiteca ou perguntar para o Daniel. Se você gostou desses quadrinhos, vale a pena ler essa ficção literária dele.

      Excluir
    2. Você recomendou Mancha Neural há algum tempo, para mim. E cheguei a olhar por cima, mas ainda não li. Mas sabe que fiquei curioso? Percebi que o Daniel possui talento literário e o desperdiçou escrevendo algo que pode render até processo, isso considerando que ele já foi até mesmo notificado extrajudicialmente devido a direitos autorais por outras coisas. Ele deveria investir o talento, a energia, em algo integralmente autoral, como vc faz com bastante sucesso dentro do nicho de ficção hot.

      Ainda encontro muito material bom dentro da italianada. As pessoas torcem o nariz por aí. Mas acho que é puro fricote. São hqs, em sua maioria, divertidas, com boa arte. E que até conseguem momentos de boa introspecção.

      Quanto ao vídeo, não sou bom para narrar. Minha voz não é agradável e meu sotaque destoa do acesso amplo. Mantenho aquele canal mais para bobagens diversas (aliás, este blogue tb é para isso, sem tema específico) e para dar suporte aqui, quando quero gravar vídeo de um produto, ao invés de fotos. Vc leva jeito em vídeos tipo "dark". Se algum dia alguém quiser gravar postagens minha e postar por aí, não ligarei. Mas eu mesmo não dou certo nisso.

      Abraços!!!

      Excluir
    3. Pois eu acredito que ficaria muito bom contigo narrando, você se expressa muito bem em vídeo. O ruim é que toda vez que a Juliette aparece falando eu me lembro de você, porque é o mesmo jeitinho e o mesmo tipo de raciocínio. Tem horas que imagino as falas dela com a tua voz, de tão parecido que você são ao se colocarem.

      Sobre o Daniel, concordo contigo e já falei para ele sobre o talento grande que ele tem e o perigo dessas fanfics disneyanas. Ele escreveu também uma história lésbica que não é fanfic, e ficou show de bola, cara. Não tem sexo quente, mas a história é muito foda!! Se um dia entrar com contato com ele, peça essa história da gatinha que vira um conto lésbico. Pode falar que eu que recomendei. Ele é ótimo para escrever.

      Excluir
    4. Já vi vídeos rodando com essa BBB, ela tem o sotaque bem carregado do interior paraibano, onde morei. Morei na mesma cidade de onde ela é: Campina Grande. Achei-a uma mulher muito bonita, embora não saiba nada sobre suas ideias porque realmente não assisto ao BBB. Só vejo os vídeos que às vezes circulam por aí, como o mais recente do marmanjo chorando devido aos seu cabelos. São pessoas explosivas, com crises de humor. Juntam todo mundo que não presta e põem ali.

      Excluir
    5. "São pessoas explosivas, com crises de humor. Juntam todo mundo que não presta e põem ali." drogados devem ter prioridade, he he

      Excluir
  3. Lembro vagamente do personagem Mancha Negra, li pouco os quadrinhos Disney. Muito boa a postagem e toda a lírica exposta nela. Deu vontade de ler.
    Sobre o Pateta, havia uma série de histórias em que ele encarnava alguma personalidade da História. Cheguei a ter um dele na pele do Cristóvão Colombo.
    Aliás, tem um personagem da Disney com o qual sempre simpatizei muito, um personagem bem "lado B", o Esquálido. Você tem alguma coisa dele?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é o Pateta Faz História mencionado por Pateta logo abaixo. E você pode comprar essas histórias todas, como bem dito por ele. Na Amazon há todos os volumes por preços acessível! E são gibis EXCELENTES! Servirão até mesmo para seu garoto.
      O Esquálido aparece em apenas UMA história desse Pateta Repórter. Trata-de de um ET. Sempre o vi esporadicamente. Nunca vi um almanaque dedicado a ele, apenas.
      Abraços!!

      Excluir
  4. Bacana esta edição da imagem com o Mancha dando no pé!
    Sou muito fã das histórias italianas dos 1960-80. Este "Pateta Repórter" é mais recente mas bem realizado.
    Marreta, a série "Pateta faz História" foi relançada pela falecida Abril em 4 volumes. Deve encontrar baratinho por aí. São edições caprichadas que valem a pena. O Esquálidus tem sido publicado na coleção de tiras clássicas "Os Anos de Ouro do Mickey". Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que ainda hoje há boas histórias italianas. Na maioria das vezes, me divirto. Nunca parece tempo de leitura perdido. Mas, claro, se compararmos ao passado, deixa a desejar. E mais ainda se compararmos à produção brasileira.
      Cheguei a comprar os dois primeiros números, em formatinho mediano (2011) da coleção PFH. Vinham juntos num pacote promocional. Aí não continuei a coleção. E por aí, como vc bem disse, a coleção em apenas quatro volumes está com bons preços!
      Abraços!

      Excluir

Comente ou bosteje.