sábado, 19 de junho de 2021

Muito Além do Jornal Nacional

 

Mein Führer! I can walk!

Dr. Strangelove

Peter Sellers foi um ator que mexeu bastante comigo. Alguns atores conseguem isso conosco. Vejo filmes com Denzel Washington, por exemplo, como o mosquito vai em direção à luz. No caso de Sellers, ele imortalizou-se como Inspetor Clouseau em produções d'A Pantera Cor-de-Rosa. Para mim, acho que foi em Lolita, mesmo sendo curto seu papel. Nunca vi alguém parecer tão sinistro num papel como ele encarnando Clare Quilty, o responsável por levar Lolita à perdição (além do instinto natural da rebenta em ser quenga, claro). Se você não assistiu a Lolita de Stanley Kubrick, faça-o para ontem.

Com Kubrick, Sellers interpretou três personagens em Dr. Strangelove, a melhor peça de humor negro da História. Para mim, o personagem que dá título à película é ícone da Sétima Arte. O nazista naturalizado americano na Operação Clipe de Papel condensa minutos preciosos do cinema, azucrinado pela mão negra do nazismo, sempre em riste, com ânsia de sangue (chega a enforcar "seu dono") e saudando o Presidente ianque por "mein Führer".

Não recordo quando, mas foi há décadas que assisti a Muito Além do Jardim (1979), um dos último trabalhos de Sellers, antes de enfartar após não aguentar o tranco com a moçoila noiada com quem casou. Na trama, conhecemos o senhor Chance, analfabeto que passou a vida inteira trancado numa mansão, como jardineiro. Sua única atividade lúdica e intelectual: ver televisão. Um dia, seu patrão falece e ele sai sem destino às ruas, sendo atropelado e levado à casa do magnata interpretado por ninguém menos que Melvyn Douglas, já em estado de mumificação. Em pouco tempo, este poderoso homem se afeiçoa a Chance e lhe faz muitas perguntas sobre condição humana, geopolítica etc. Chance o responde com metáforas vazias relacionadas à jardinagem ou a programas de TV. Logo, é visto como Filósofo. Antes de falecer, o magnata apresenta Chance à cúpula política nacional. No final, o jardineiro analfabeto com belas frases de efeito terá, em suas mãos, o maior poderio bélico e econômico da História.

Muito Além do Jardim é belo e enigmático. Nunca li o romance que lhe deu origem. Mas, no cinema, chamam atenção alguns símbolos que remeteriam aos agentes da Nova Ordem Mundial conduzindo os negócios na nação. Melvyn Douglas seria alguém como o Soros de nossa atualidade, talvez. Recordo que Hillary Clinton seria a possível Presidente da República, quando Soros, numa reunião de poucos minutos entre ela e Obama, escolheu este para a disputa. As frases bonitas de Obama, com seu gingado de bom moço, atendiam melhor aos anseios das maiores fortunas globais. E assim permaneceu oito anos na Casa Branca, regulamentando os menores atos da vida individual, familiar e comunitária. Foi um trabalho competente, além de aumentar o tamanho do Governo federal em quase o dobro sem que isso representasse nada em termos de Defesa Nacional ou algo significativo.

O jardineiro Chance logo conquista os EUA. Todos se rendem aos seus encantos, polidez, fala macia e mansa e lugares-comuns. Da boca de Chance, só emana amor, seja lá o que isso signifique em termos de política destinada a milhões de habitantes tão distintos entre si. Chance é o Presidente que todos querem ter, especialmente os brasileiros.

Há anos vi Muito Além do Jardim e recordei deste filme por acaso, quando vejo eleitores "assombrados" diante das falas de nosso Presidente da República, que fala em "cagar" (isso quando não caga pela boca) e outras coisas absurdas. "Mas e a liturgia do cargo?". Isso não existe mais em lugar algum da Terra. Biden chama Putin de assassino, Macron destrói a Guiana Francesa enquanto quer ditar regra para nós, nossos Parlamentares gastam milhões com o circo da Covid 19 e, de acordo com o Supremo, não existe mais independência entre os Poderes. O mundo é um puteiro e só você ainda não percebeu.

O discurso fofo não cola. Desconfio de palavras acarinhadas e carinhosas. Esses dias, descobri que Luciano Huck proíbe pedreiros no mesmo pavimento que ele e sua família, durante reformas. Que Regina Casé ama o povo da favela mas tem problemas com pobretões próximos. E por aí vai. É como o PSOL que fala em defesa da CLT, mas só contata por meio de PJ. Como dizia vovó, falar é fácil.

Não quero o senhor Chance no Planalto. Prefiro Bolsonaro. É isso.

Abraços e fiquem com Sellers, abaixo.



14 comentários:

  1. "O mundo é um puteiro e só você ainda não percebeu." quem dera.

    se o mundo fosse como um puteiro, seria bem melhor organizado e sincero. receberíamos exatamente pelo que pagamos e ainda estaríamos satisfeitos e felizes com o serviço. ainda que alguns pudessem achar que algo tão prazeroso só pudesse ser pecado...

    o serviço público e o Estado atuais poderiam melhorar muito copiando puteiros.

    acho que o mundo é pior que um puteiro.

    abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas é. Só que não fodemos. Somos fodidos. Por isso não enxergamos o lado bom da zona.

      Como servidor público, tento fazer bem meu serviço. Não tenho trabalho acumulado e desempenho com honestidade minha função. Mas como usuário dos serviços públicos, que horror. Às vezes acho que o problema não é do setor público, mas brasileiro. Quantas vezes não vemos descaso na própria iniciativa privada, com ou sem concorrência. A descortesia, a má fé, o marasmo. Isso é nosso. Brasileiro é porco.

      Abraços!

      Excluir
    2. "Brasileiro é porco." eu ia defender o porco na comparação com o brasileiro, mas já me basta a inveja da organização dos puteiros, por hoje :)

      abs!

      Excluir
    3. Ah uma barriguinha de porco na brasa...

      Excluir
  2. Assisti a Muito Além do Jardim há muito, muito tempo e gostei demais, achei belíssimo. Mas não vi nada dessas simbologias subliminares etc. Talvez fossem tempos mais puros quando eu o assisti, Ou eu fosse mais puro, vai saber.
    E concordo com o Scant : antes o mundo fosse um puteiro; funcionaria bem melhor. No puteiro, tem quem manda e pronto, ninguém fica fazendo reunião com as putas (nossa câmara e nosso congresso) para ver o que elas querem e acham melhor para o puteiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acerca da simbologia, acho que fica mais evidente quando do funeral no final, com os signos pagãos no mausoléu. Os EUA possuem sociedades DISCRETAS poderosas, todas com viés místico. Ex.: Skull and Bones.

      Pensar neste filme me deu vontade de revê-lo.

      Abraços!

      Excluir
  3. Olá, Neófito.

    Acho que mencionei algo em relação a jogos antigos antes. Comigo ocorre o mesmo em relação aos filmes. Esses filmes em preto e branco, simplesmente não consigo assistir, acho que um choque de realidade para quem viveu só no colorido e com atores de outra época ocorre comigo. Mesmo assim, Lolita é um livro que sempre quis ler, apesar de nunca ter visto o filme. Inclusive, baixei aqui para lê-lo essa semana.

    Quanto ao mundo atual, acho que a lama, ou puteiro, ou seja lá como queira chamar, está muito putrefa. Acho que Olavo dizia que nós suportavamos a miséria dos mendingos ao esquecer deles, mesmo os vendo na rua. Simplesmente fingimos que não os vimos. O mundo atual é assim, muitas pessoas fingem que não veem como o mundo é sujo. E continuamos, mesmo que sendo feitos de trouxa por alguns caras que controlam tudo e todos, para não enlouquecer.

    Quanto a metáfora do puteiro, acho que é bem válida. O Brasil parece muito com puteiros baratos, cheios de putas safadas e mentirosas. Dizem que farão tudo e que o programa é completo, só para reverter tudo nos primeiros minutos de ação. O tempo necessário para acher putas decentes é grande, a maioria é assim, malandra.

    Concordo com você, o problema é o brasileiro. Somos arrogantes, descorteses e malandros. Ainda assim, existem exceções.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Matheus.

      A estética P&B me atrai bastante. Gosto de produções modernas em P&B, por exemplo. Na terceira temporada de Twin Peaks, por exemplo, David Lynch fez uso do recurso em um dos episódios. Ficou bonito. Mank (indicado a Oscar), tb ficou legal sem cores.

      Sobre os jogos, meu problema com os mais antigos (e venho gostando de vários) é que são muito difíceis. Propositadamente difíceis, o que às vezes frustra (mas, na contramão, recompensa o ego).

      Felizmente, até hoje não tive problemas com putas baratas que nunca cumpriram o acordado.

      Como transito entre ricos e pobres (e tô no meio, do meio pra baixo), percebo este estado de negação em ambos. O pobres estão de boa, igual Construção de Chico Buarque, se calando com a boca de feijão e muita cerveja vagabunda no final de semana (Crystal, Lokal etc.). Desde que o Bolsa Família esteja na conta (agora incrementado com o auxílio covid), está valendo. E muitos mesmo trabalhando recebem. Algo que deveria ser para estado emergencial é, desde sempre, destinado à cerveja. E o rico está de boa, numa casa de alguns milhões (meu bairro é pobre, mas há casas e chácaras milionárias) e podendo viajar, finge que está tudo bem à sua volta.

      Minha opção de vida foi aproveitar as coisas boas da vida, sem estar alheio aos problemas, mas sem me deixar contaminar por eles, pois não posso enfrentá-los. Caso contrário, a gente pira.

      Abraços!

      Excluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Eu não vou comentar sobre isso. Mas deixei uma postagem no Facebook, em modo público, sobre as 500 mil mortes. Enfim... às vezes é uma benção ficar sem palavras e argumentos. Esse presidente é mesmo o rettato esculpido em carrara do povo brasileiro. Hoje terá um vídeo mostrando uma revista de 84 páginas não conter sequer 1 que preste. Um abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Fabiano.

      Estou sem acessar Facebook. Tinha fechado até minha conta de Instagram, mas reabri devido a questões profissionais.

      500 mil mortes... E morrerão mais. O Presidente não está catando vírus nas ruas. O Brasil é continental. Proporcionalmente, nem estamos na liderança. Aliás, bem longe disso. E números absolutos não contam, pois temos muita gente em nosso território. O que fazer? A Argentina trancou todo mundo em casa e está fodida do mesmo jeito; ou pior: a economia em frangalhos. No Chile, apesar da vacinação em massa, pessoas estão morrendo e contraindo. Aqui no Brasil, a gestão da covid cabe aos Estado e Municípios. Foram BILHÕES repassados.

      500 mil mortos. E muitos famosos. É como o ator Paulo alguma coisa, que morreu pq, mesmo se recuperando de câncer, contraiu covid após viagens e festinhas. Ou o filho do Datena, que passou toda a pandemia viajando o mundo. Eu mesmo tive covid pq EU NÃO ME CUIDEI.

      Votei em Bolsonaro e votarei novamente. Espero que todos façam uso consciente tb de seu voto. Tomem partido de algo. Que votem até em Lula.

      Sobre MSP... acompanhei tudo por seu canal e não gostei do que vi. Tudo muito bobo, passatempos em exagero, arte medíocre. Mesmo que tenha uma história boa numa revista, minha grana é preciosa demais para gastar com essas publicações. Temos muita coisa Abril e Globo para ler e reler. A vida é curta. O tempo é precioso para tentar insistir com o MSP.

      O mundo mudou e está mudando. Mas devido a isso não precisam publicar gibis para retardados. A Disney está aí de prova. As hqs italianas novas não subestimam a inteligência de crianças, quanto mais de adultos.

      Verei o vídeo, como sempre.

      Abraços!

      Excluir
    2. Agradeço seu carinho e o respeito ao meu ponto de vista. Obrigado.

      Excluir
  6. Sei que assim como eu não acompanha a TV aberta. Podia fazer um artigo sobre outras fontes de informação que costuma acessar. Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Pateta.

      Realmente, há décadas abandonei a TV aberta. Essencialmente, foco no Youtube. Gosto de vários canais, os quais acompanho. E tb muito conteúdo aleatório por lá mesmo. Recomendo assinar o YT Premium para fugir de comerciais. Boa sugestão. Um dia talvez indique algo sobre canais.

      Abraços!

      Excluir

Comente ou bosteje.